Imagem capa - O poder da bagagem familiar para a criação de uma boa fotografia por Um Girassol
UmGirassol com muito amor

O poder da bagagem familiar para a criação de uma boa fotografia



Hoje venho falar um pouco sobre o poder que a família tem sobre as suas fotografias. Mas, primeiramente, o que é família? Pra mim, família é quem cuida, quem ama, quem preocupa, quem não inventa desculpas para estar ao seu lado nos momentos bons e ruins, família para mim vai além de HOMEM, MULHER E CRIANÇA. Família em primeiro lugar é um lugar acolhedor, carregado de amor, que mesmo com todas as adversidades, continuam juntos. Família é o lugar onde o seu riso se torna motivo do sorriso do outro e o sorriso do outro é motivo do seu riso. Não importa se é mãe, pai, prima, namorado (a), amigo (a), etc. Tem que ter amor, respeito, reciprocidade e aconchego. 


Ser adotado pela Isabel e pelo Roberto, foi uma das grandes dádivas da minha vida. Eu sei que algumas pessoas até me odeiam de tanto que eu declaro meu amor pelos meus pais, mas, não tem como não citar eles quando o assunto é AMOR. Foi com eles que eu aprendi tudo que eu sei. Aprendi a respeitar o próximo, aprendi a controlar meu instinto machista, aprendi a amar o outro mesmo quando o outro parecia não ''merecer'', foi com eles que eu dei meus primeiros passos, foi com eles que eu joguei meus primeiros jogos, foi com eles que eu aprendi a ler, escrever e fazer continhas, foi com eles que eu aprendi que se eu quiser colorir um elefante de azul eu posso colorir, e foi com eles que eu aprendi que mesmo quando te chamam de louco, você deve continuar tentando e tentando até alcançar. Mas, além da Isabel e do Roberto, eu tenho milhares de famílias espalhadas por ai. Tenho grandes amigos que sempre estão ao meu lado, tenho primos, tios e tias incríveis, tenho professores que se tornaram família, tenho pessoas que nunca nem vi sem ser por fotinha e que considero família. 


E como isso influencia na minha fotografia? Quando eu vou fotografar, eu tento ter o máximo de empatia com cada um dos meus clientes. Eu peço para que me contem sobre seus sonhos, sobre seus familiares e sobre seus momentos de tristeza e alegria. É preciso se colocar no lugar das pessoas, pois, fotografar alguém é uma troca. Trocamos experiências, trocamos conhecimento, sorrisos e lágrimas. Quando um cliente me fala que passou por um problema com os pais, eu tento me colocar no lugar dele, porque mesmo tendo pais incríveis é lógico que eu já tive momentos de desavenças. Quando um cliente fala que sonha em viajar com os pais para determinado local, eu me coloco no lugar dele, pois, também carrego esse sonho dentro de mim. É preciso saber respeitar as alegrias e as dores do outro e é preciso criar um relacionamento que vai além de FOTÓGRAFO E CLIENTE. As pessoas só precisam de alguém que as ouçam, que as entendam e que não estão ali somente pela grana. 


Quando eu consigo ter uma grande empatia pelo meu cliente, ele se sente a vontade para ser fotografado por mim. Alguns dizem que nunca imaginou que ser fotografado era tão simples. De fato é, mas, se torna hiper fácil quando as duas partes se sentem a vontade, quando as duas partes se conhecem e estão ali pelo mesmo propósito. E sabe qual é meu maior propósito quando saio de casa para fotografar? ME DIVERTIR PRA CARALHO. Rir, chorar, rolar no chão, zoar, falar palavrão sem precisar me regrar, fazer piada, etc. Eu não saio de casa para trabalhar, eu saio de casa para me divertir.